fístula arteriovenosa

Fístula arteriovenosa (FAV) para hemodiálise: saiba mais

A fístula arteriovenosa (FAV) é um meio de acesso para hemodiálise confeccionado através de uma pequena cirurgia no braço e mais raramente na coxa, em que  é feita uma ligação entre uma pequena artéria e uma pequena veia. Assim, é possível fazer com que ela fique mais grossa e resistente a punções das agulhas de hemodiálise.

Na maioria dos procedimentos para confecção de FAV, não é necessário anestesia geral, geralmente são feitas com anestésico local. O procedimento é indicado para todas as pessoas que precisam fazer hemodiálise.

O que é a fístula arteriovenosa?

A fístula arteriovenosa para hemodiálise chamada de FAV é uma conexão cirúrgica que liga uma artéria  com uma veia superficial que tem a probabilidade de dilatação. Pode ser feita em várias regiões do corpo, mas normalmente ocorre nos membros superiores, como no antebraço e tomando como referência a artéria radial. A escolha da parte do corpo para que o procedimento seja realizado é num primeiro momento o oposto do dominante, sendo direito para canhotos e esquerdo para destros.

Ela é o acesso mais duradouro e seguro para os pacientes que precisam fazer hemodiálise. Diferente dos materiais sintéticos e dos catéteres, a pele se mantém como a melhor barreira contra a entrada de microrganismos que podem gerar infecções. E quando o tratamento é finalizado e as agulhas são retiradas, a área cicatriza-se naturalmente.

Além de cicatrização rápida, o procedimento também tem baixo índice de trombose, assim como a possibilidade de adquirir outras doenças. Porém, ela não impede que algumas punções sejam dolorosas e nem o surgimento de complicações na área. Nem todas as pessoas podem realizar o FAV, as principais restrições a confecção das FAVs são a dimensão da veia  ou a obstrução das artérias. Pacientes obesos, diabetes e de idade mais avançada também apresentam muita dificuldade para confecção da FAV.

Quando o paciente não possui uma fístula arteriovenosa é aplicada anestesia local para inserir um cateter de hemodiálise diretamente na virilha, pescoço ou tórax. A opção é temporária até que seja realizada uma FAV, já que o procedimento pode trazer infecções e trombose da veia.

Como é feita a fístula arteriovenosa (FAV)?

As artérias são vasos sanguíneos elásticos e resistentes ligados ao coração, que sofrem ramificações que vão diminuindo seu calibre até se tornarem capilares. Já as veias também transportam sangue, mas vindos do corpo para o coração. Mais finas e frágeis, porém com maior poder de dilatação, as veias não precisam de tanta resistência já que o sangue não é bombeado e portanto a pressão na veia é muito menor.

Ao ligar uma artéria e uma veia, haverá importantes alterações, principalmente nas veias já que elas começam a receber uma pressa intensa e constante vinda da artéria, fazendo com que expandam sua parede e se tornam mais resistente, conforme o objetivo do FAV.

Dentre as vantagens do uso da FAV estão o risco reduzido de infecções, o acesso rápido a circulação sanguínea e o uso dos braços após as sessões de hemodiálise. Já as desvantagens referem-se à necessidade de punção, de realizar uma hemóstase, é preciso um tempo maior de maturação (tempo da confecção até inicio da diálise) e risco de sangramento.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter, e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como médico cirurgião vascular e endovascular em Andradina!

Comentários
Dr. Fábio Aprigio

Posted by Dr. Fábio Aprigio

1 comment

Avatar
Karina diverono Freitas de Morais

Oi tudo bem, na verdade estou desesperada, minha mãe descobriu o problema renal desde novembro de 2017, até então tem sido uma luta constante, inicialmente já colocou uns 7 cateter e 1 fistola que perdemos, pois pelo fato de minha mãe ser obesa, tiveram que superficializar a fistola ai ela rompeu. No monento ela faz a Dialise peritonial, que não está funcionando bem pra ela, pois desde de que ela começou a uns 4 meses, sempre com infecções e sempre usando antibióticos, porém foi colocado uma fistola no outro braço há um 3 meses, e os profissionais da clinica de Hemodiálise aqui não conseguem pulcionar a fistola, pois segundo eles não trm agulha para o braço da minha mãe pelo fato de ela ser obesa e o braço ser gordinho. E nesta fistola também superficializou, não sei mas o que faço pois o médico diz que a fistola esta boa, funcionando porem não conseguem pulcionar, me ajudem sou do interior de minas gerais meu telefone 031 985869666